Parem com a categorização!


Há muito eu reclamo dessa necessidade de catalogar as pessoas conforme suas características, como se ao possuir, necessariamente, um determinado gosto ela fosse obrigada a seguir a risca o que a sociedade impõe como tribo dela. Isso foi algo que eu sofri muito no início da minha adolescência, e hoje, graças a muitos tapas que a vida me deu, percebi que esse tipo de mentalidade só leva a segregação. Como? Pois bem, hoje, se eu tenho alguma noção próxima do que a vida é e para que ela serve, com certeza essa concepção esbarra em: conhecer e aprender com quem a gente conhece. Se esse não for, de fato, o sentido da vida, é, pelo menos, uma das coisas mais legais nela. E o que isso tem a ver com segregação e separar a sociedade por grupos? Pois bem, se você se autointitula alguma coisa, tecnicamente, você anda somente com a galera dessa mesma vibe, certo? E se é a galera da mesma vibe, me diz: o que de diferente você tem a aprender? Obviamente que espero que você não entenda aqui como se eu tivesse dizendo que você não aprende nada com quem é parecido com você. Não, negativo, você aprende e aprende muito. Mas aprender com alguém que pensa diferente de você é um exercício de paciência e, principalmente, humildade. É, mesmo discordando, aparentemente, do que o outro fala ou pensa, você abre mão das suas concepções - voluntariamente ou não - e aprende com alguém. Acontece que, com essa separação colocando um grupo de pessoas conforme a sua "categoria de afinidades", acaba-se gerando opiniões fechadas em determinado mundo, sem absorver coisas diferente, de outro mundo do seu e, num âmbito amplo,  cria preconceito entre essas visões, filosofias de vida, tribos, grupos, o que for. E isso impede muita gente de conhecer, frequentar e porque não, curtir, determinados ambientes. Não é questão de mudar de essência, acho que cada um tem uma linha que gosta mais, óbvio, mas isso nunca deve impedir você de experimentar, mesmo que seja para falar "eu realmente detesto essa merda". Falo isso porque sou estudante de direito, e como tal, sou catalogada como alguém certinha, mas cara, eu sou aquela pessoa que bebe e ama subir no palco. Tamanha verdade é que já fiz isso num show do Marcelo D2, num show cover de System Of a Down e num show de uma dupla de sertanejo universitário em um dos dias que eu fiquei mais alegre e aproveitei da vida. Se eu ouço sertanejo universitário? Jamais. Se surgir uma oportunidade de ir num show de dupla sertaneja junto com uma galera legal eu vou? Sim. E essa minha visão, bastante criticada por quem tem uma mente mais fechada, é pautada nas concepções de que: nós fazemos os momentos bons e nós aprendemos com as pessoas. Todo mundo, sem exceção, tem alguma coisa a nos ensinar, seja ela positiva ou negativa e isso, repito, é a coisa mais legal de estar vivo: poder aprender com os encontros que aparecem ao longo de toda a sua trajetória nesse mundo louco. Então, pra que abrir mão de conhecer ótimas pessoas por puro preconceito? Não estou falando que você tem que ser amigo de todo mundo que pensa, age, curte coisas diferentes de você e se excluir dos afins, óbvio que não! Muito menos, quero dizer que você é obrigado a gostar de todas as coisas do mundo. O que eu estou tentando falar, resumidamente é: você não precisa conviver exclusivamente com pessoas de gostos catalogizados iguais aos seus, lógico que você vai ter, sim, pessoas que se identifica mais, estilos que te agradem mais, mas isso não significa que todo o resto seja ruim pelo fato de não ser o que você gosta. E você já tem esse pré-conceito de que é ruim pois tudo está classificado na sociedade moderna e você já entra nesse padrão sabendo que se você se volta mais a um determinado 'grupo', consequentemente, você ignora os demais. Sendo que os demais vivem o mesmo mundo que você e estão ai prontos para serem explorados, tomar um porre contigo, dar conselhos com uma ótica diferente da sua e, até mesmo, pra você poder achar um que vai ser o seu melhor amigo.
Pois é, dei uma volta meio sem sentido para dizer o que eu disse no início do post: não precisa catalogar as pessoas com base numa característica. Eu, por exemplo, sou mais macho - a expressão popular que a galera ama - que muito homem e a minha tatuagem é a coisa mais delicada do mundo. O fato de eu ser uma pessoa independente - e, em alguns casos, até beirando a insubordinação - não exclui o fato de eu querer ter coisas delicadas, gostar de coisas de menininhas - hello, olha pro blog, cara! -. O fato de você ser uma pessoa que acredita em Deus e é de determinada religião não te faz menos crítico que ninguém, o que faz isso são as suas atitudes, mas não o fato de, pra você, Deus existir ou não. Essas generalizações separam a sociedade demais, geram preconceitos demais e são inúteis demais.
Enfim, apenas um texto para se dar uma repensada, já disse inúmeras vezes que não tenho pretensão nenhuma, com meus textos, de convencer a ninguém com as minhas posturas e filosofias de vida, escrevo somente - e principalmente esse assunto - por saber como é difícil se despir de todos os preconceitos que cada um carrega dentro de si, inclusive os meus. Então, antes de qualquer texto para fazer você mudar, é mais um texto criado no auge de pensamentos da madrugada nessa minha incessante busca de "evolução", ou, pelo menos, mudanças. 

37 comentários:

  1. super concordo com cada linha, preconceitos todos precisam despir deles né, quem não os tem

    Bjuuuuu http://umabonecamasnaodeporcelana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. nossa, concordo numero, genero e grau!
    beijinhos, Rê
    www.renatatruchinski.com

    ResponderExcluir
  3. Acho que vc tá certíssima! Mas se vc reparar bem, esse tipo de pensamento mais fechado e preconceituoso é bem comum na adolescência, principalmente no início. O problema maior é quando a pessoa deixa de fazer coisas que ela poderia vir a gostar por pensar assim, acaba sendo um preconceito contra si próprio e isso é terrível. Mas quando vc se permite conhecer novas pessoas, novas tribos, novas situações a que vc não está acostumada, como vc disse, 'mesmo que seja para falar "eu realmente detesto essa merda"', acredito que isso é sinal de amadurecimento. O melhor a se fazer é ignorar certas coisas que outras pessoas pensam da gente e ser feliz do jeito que a gente bem entende, sabe?!

    ResponderExcluir
  4. Concordo, o problema é: ler o texto pensando nesta e naquela pessoa e esquecer de tomar a lição para si próprio, pq ninguém aceita ter preconceitos né?
    Beijocas e tô seguindo vc agora

    ResponderExcluir
  5. Oi, como vai? Seu blog é puro amor, parabéns!
    Gostei demais da postagem, realmente muita das vezes a gente se fecha em nosso próprio mundinho, onde temos: amigos que concordam com nós, pessoas com gostos parecidos, mas será que realmente a gente não poderia conviver com pessoas de gostos diferentes? Antes eu tinha esse medo, agora não mais. Expresso minha opinião, meus gostos, se o seu for diferente tudo bem, talvez eu possa gostar, ou odiar, mas isso é sinal de amadurecimento, amadurecer e aceitar!

    Beijos ♥
    Garota do Interior

    ResponderExcluir
  6. ah, adorei o texto, as pessoas pre julgam TANTA coisa que da até preguiça viu. chega!

    www.tofucolorido.blogspot.com
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto *-* beeijos
    Acesse: http://blogbelezamake.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. tbm nao gosto disso de catalogar de rotulos
    acho besteira!
    Beijos Jéssica R. Coelho

    ResponderExcluir
  9. Adorei o texto!!!
    è uma coisa bem comum quando somos adolescentes né?

    Bjs
    www.garotadebotas.com

    ResponderExcluir
  10. Isa, isso que você acabou de descrever é nada mais do que flexibilidade de pensamento. Muito simples, né? Triste a vida das pessoas que não conseguem relativizar, que precisam categorizar tudo e todos...

    ResponderExcluir
  11. Escreves tão bem!!! :)
    Adorei, e concordo ^^
    Beijinhos*

    ResponderExcluir
  12. Caramba... colei no texto



    Sónia
    www.tarasemanias.pt

    ResponderExcluir
  13. Olá Isa!
    Parabéns pelo texto. As pessoas precisam saber lidar com as diferenças individuais de cada pessoa. O fato de ser diferente não faz de você uma pessoa melhor e tão pouco pior. É necessário o respeito.
    Se cada um se colocasse no lugar do próximo não teríamos tanto preconceito, tanta violência e tantas guerras.
    Bom fds.
    Big beijos

    Lulu on the Sky

    ResponderExcluir
  14. Adoorei o texo Isa e concordo com você. Parece que hoje em dia é necessário pertencer a uma tribo só. Odeio esse lance de dividir, as pessoas são super diferentes umas das outras, o que seria horrível é se só se conhecessem pessoas que gostam da mesma coisa. Eu costumo dizer viva a diferença e minhas melhores amigas são super diferentes de mim e isso nunca deu errado.
    Beijos!

    www.pamlepletier.com

    ResponderExcluir
  15. A frase "Essas generalizações separam a sociedade demais, geram preconceitos demais e são inúteis demais" diz tudo! Eu também já sofri e ainda sofro muito preconceito por ter a minha própria personalidade. Inclusive, eu estava falando sobre isso em uma postagem recente do meu blog.

    Nós não devemos ser meras cópias. Seres humanos foram feitos para interagir uns com os outros, compartilhar e não forçar. Todos temos o direito de nos expressar como quisermos e respeitar esse mesmo direito das outras pessoas.

    Amei o seu texto Isabella, vai entrar para a minha lista de favoritos. Ele complementa muito bem, um pensamento que eu venho nutrindo ultimamente. Chega de rótulos, julgamentos e pressões!
    Beijos,
    Blog Senhorita Deise

    ResponderExcluir
  16. Concordo com você em alguns aspectos mas, eu tenho tendencia a "andar" com pessoas do mesmo gosto que eu...rs me identifico mais!

    Beijos, Jell & Marcelo
    www.urbanoeretro.com.br

    ResponderExcluir
  17. Gosto mto do jeito que vc escreve...suas ideias são escritas de forma clara e boa de ler.
    Não gosto de rótulos, mas acho que todos rotulamos uma vez ou outra né...até mesmo nas escolhas das amizades...enfim...de se pensar MESMO, hoje e sempre!

    bjos

    ResponderExcluir
  18. Isa, lendo seu texto fui lembrando de todas as minhas aulas de Moda e Cultura/Sociedade, em que discutimos MUITO a questão da identidade hoje em dia. É muito louco isso, chega a ser provinciano pensar que a pessoa é uma só, blocadinha e categorizada, não tem COMO, por mais que a pessoa se sinta "pertencida", encaixada e certinha na sua "categoria", é impossível. Todo mundo participa de vários níveis e esferas de atividades ao longo da sua vida e simultaneamente, sei lá, a vida é feita de fases e momentos e precisamos deixar o pensamento mais livre e simplesmente PARAR de julgar e deixar ser, deixar viver <3

    Beijosss

    ResponderExcluir
  19. Belo texto fiquei aqui refletindo muito e cada palavra faz total sentido!
    Bjs
    http://meninadivadamodaoficial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Texto maravilhoso realmente tudo que você falou é uma pura realidade
    bom final de semana.
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis

    ResponderExcluir
  21. Eu concordo com você! Temos que lidar com isso, com as diferenças de gostos. Seria muito chato se todo mundo fosse igual, se vestisse igual e gostasse das mesmas coisas né?
    Beijos,
    Julie | http://www.juliechagas.com/

    ResponderExcluir
  22. Concordo com tudo o que disse e penso exatamente da mesma maneira! Mandou bem, isso é algo que me incomoda muuuuuuuito!

    Preserve Suas Raízes | Fã Page

    ResponderExcluir
  23. Isa, amei teu texto! Isso de se fechar num grupo e andar só com quem pensa igual é muito chato e acontece muito. Até dentro da faculdade mesmo, a gente acaba ficando muito bitolado naquele pessoal que não representa a realidade de todo mundo lá fora. As pessoas tem uma mania de categorizar a tudo e a todos, porque isso dá uma sensação (muito superficial) de ter conhecimento sobre elas, mas não, não dá.
    Enfim, adoro te ver escrevendo aqui.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  24. Muito bom o seu texto, realmente as pessoas generalizam demais, "se uma pessoa gosta disso a pessoa é desse jeito" não é bem assim né, uma pena é que a maioria das pessoas pensam assim, infelizmente e também me incomoda demais!!

    Beijoss
    www.conversandocomalua.com

    ResponderExcluir
  25. Eu também não gosto de rótulos, acho que não podemos generalizar as pessoas e achar que todas que gostam de uma determinada coisa são iguais, cada pessoa é única. Muito bom o seu texto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Hey lindona!
    É tudo isso ai que você escreveu., concordo, apoio e tudo mais;
    cada um faz o que quer e que se acerte depois;
    adorei seu blog e seu nome, uai kk

    beijo

    http://isabellalessa.com/

    ResponderExcluir
  27. olha eu amei o texto e concordo com tudo que disse ,
    fora que isso é muito chato cara . odeio rótulos somos humanos , todos de carne e osso não tem essa .

    beijos
    http://loucaapaixonada22.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  28. É isso mesmo. Chega a ser chata essa história.. Vc faz uma coisa e a pessoa já te coloca em 'tal categoria'. Seu exemplo do show foi perfeito.. Eu não sou fã de Anitta, não tenho os cds dela, mas quando teve o show aqui na cidade eu fiz questão de ir e dançar e gritar e simplesmente curtir o momento. As pessoas com a mente fechada não conseguem enxergar que vc tem várias possibilidades e várias coisas para fazer sem necessariamente pertencer a alguma categoria. Me poupe viu!
    A vida é agora. Vamos aproveitar e para de cuidar da vida alheia!
    Beijos =*
    morandocomele.com

    ResponderExcluir
  29. Eu ando com o meu grupinho porque sim, temos gostos parecidos. Eu vou ser sincera de que eu não gostaria de andar muito com uma pessoa que tem o gosto TOTALMENTE diferente do meu. Eu ia me sentir "deslocada". Enfim. Eu adorei o texto mesmo assim. :)

    Beijinhos
    http://www.estilodiwa.com/

    ResponderExcluir
  30. Super concordo contigo, Isa! Acredito que não temos que nos preocupar se estamos, ou não, dentro de alguma categoria. Eu curto indie e rock e dentro do meu grupo de amigas tem sim, duas que também curtem rock, mas também tem aquela que curte o sertanejo. Não é por isso que ela deixa de ser "menos amiga" do que as outras, entende? Gosto muito do modo como você escreve e nos faz pensar! :) Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Concordo totalmente com você! Acho que conforme vamos ficando um pouco mais vlehas vamos percebendo a besteira de certas coisas, né. Eu na e´poca da escola era A rockeira, A hardcore e tinha tood esse estilão, só frequentava os ambientes com uma galera alternativa e agora, dois anos depois curtindo o bom e velho rock'n roll como sempre, mas muito mais mente aberta, com direito a paixão assumida pelo pop, kpop e rolando até axé e funk na minha playlist me vejo fazendo coisas inimagináveis para a "eu" de 17 anos.
    Que é ter um blog sobre meninices, me apaixonar por esmalte e maquiagem e por aí vai...
    Algo que nunca me contentei muito foi isso de sempre ser tachada como "estranha" por causa dos meus gostos adversos, mas sabe, hoje em dia desencanei total. Não me atribuo a nenhuma tribo, como também não me considero normal, só sou eu, ouço o que gosto, visto o que gosto também, e bom, a opinião dos outros sempre vai ser a opinião dos outros... E nunca vai mudar nada na minha vida, não é mesmo? haha

    Ps. Eu estou desejando demais o vestido do sorteioooo! Eu quero pra mim!!!!

    Beijinhos
    http://perigosasgarotas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  32. Oie Isa, tudo bem?
    Amei o seu post, realmente hoje em dia é muito difícil de ninguém julgar ninguém de a sociedade ser separada em "grupos" chega a ser absurdo, principalmente aqueles que julgam os outros de acordo com religião, acho o cúmulo!
    beijocas

    www.izabellagrimaldi.com

    ResponderExcluir
  33. Concordo com você, Isa. Parece que quanto mais mente aberta a sociedade lugar pra ficar, mas ela julgadora. Isso é reflexo de um pensamento hipócrita. Parece que se você faz tal coisa, você tem que seguir exatamente aquele padrão, e se sair da linha, você passa a ser uma aberração. Ótimo texto!

    Beijão,
    Boneca de Pano Rosa

    ResponderExcluir
  34. Essa categorização leva a pensarem que somos uma coisa que não somos.


    Tem post novo lá no Ela é Cristã, veja este post especificamente, quero saber sua opinião sobre ele: http://www.elaecrista.com/2014/09/batons.html

    ResponderExcluir
  35. Você está coberta de razão. Assino em baixo de suas palavras!

    Ps1.: Adorei a foto *-*
    Ps2.: A URL do meu blog mudou. Agora é: http://blogdaisacarla.blogspot.com.br/

    Beijos, linda!

    ResponderExcluir
  36. Na minha vida, quando alguém tenta me btoar em alguma categoria, eu sempre digo quando a pessoa já tá começando... "Nem tenta me definir porque você já vai estar errado." Acho que hoje em dia ninguém é uma coisa só, gosta de alguma coisa. Pelo menos eu, sou indefinível e é muito bom ser assim.

    Beijos, Clara do claravieirablog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  37. Nossa, concordo demais com o texto... E esse preconceito impede a gente de conhecer tanta gente e ter experiências legais, né? Como o caso do show de sertanejo, né? Hahaha
    Antigamente eu sofria com isso, mas ao mesmo tempo eu que me limitava com os rótulos ao achar que só deveria fazer o que as pessoas daquele grupo fazia. Mas de uns anos pra cá eu liguei o botão "foda-se" e tenho o grupo, os amigos e vou pra onde quiser. Seja o que for, o que importa é que estarei feliz e gostando disso :))

    Beijos, Fernanda.
    mudeimodei.com.br

    ResponderExcluir

Qualquer comentário é bem vindo, mas se for comentários de sdv, eles serão devidamente ignorados.
Beijos.