OOTD - Não tem ferro de passar aqui em casa.

Olaaaaaaaaaaaar,
Se tudo der certo, o blog passará a se chamar "theurbantrends.me" uhu. Acho que tem mais a ver com a nova cara do blog :D Me mandaram fazer um tal de "redirecionamento 301" mas quem disse que eu consigo ter ideia do que é isso - e de achar tutoriais sobre isso na internets... então, vida que segue...
Enfim,  o look de hoje está completamente amarrotado porque eu ia para um casamento e Rafael estava me apressando porque ele é a pessoa mais pontual do mundo inteiro e se chega atrasado 05 minutos já fecha a cara haahahahah mas - enfim - eu juro que quando ele não está amassado assim ele é bem lindão. Na real, eu acho que ultimamente tem tido muita coisa na moda ligada à Asia né? E esse vestido é justamente da coleção da Farm inspirada no Japão, por isso ele parece ser um kimoninho. Eu ainda estou pensando se isso se configura apropriação cultural, na real... não tenho muita ideia formada sobre isso *peço ajuda aos universários*








Vestido: Farm | Sandália: Sonho dos Pés | Brinco: comprei de uma hippie na pracinha

Tinha séééééééééculos que eu não tirava fotos para look do dia né gente hahhaa eu acho que perdi o jeito até, mas enfim, espero que vocês gostem e ignorem o vestido mal passado hahahah



Eu queria que fosse frescura.

Eu queria que fosse frescura quando eu acordasse de manhã e não sentisse vontade de levantar da cama sem parecer que fui atropelada por um caminhão que carregava elefantes. Eu queria que fosse uma fase, que eu acordasse e tudo passasse como todas as fases da vida passam. Eu queria que fosse preguiça quando eu só pensasse em ficar deitada 24 horas por dia, mesmo não conseguindo dormir.

Eu queria que a minha vida fosse realmente ruim para que eu pudessem e dar esse luxo de reclamar, porque suga a minha alma saber racionalmente que eu não tenho porque me sentir assim, mas não conseguir superar essa melancolia. Eu queria que fosse fácil, porque eu poderia sair disso na mesma hora que começasse, não me tornando uma prisioneira das minhas angústias e dos meus fracassos.
Eu queria que fosse TPM e que só uma vez por mês eu sentisse vontade de chorar e tratasse todo mundo mal por estar tão irritada ao ponto de um barulho acima do normal acabasse com meu dia inteiro.

Eu queria que fosse apenas úlcera, que doesse somente quando eu comesse fritura, ao invés de doer sem hora para acabar. Eu queria que fosse fraqueza, porque ai uma hora eu iria me tornar forte de tanto soco em ponta de faca e acabaria com isso. Eu queria que fosse só uma insatisfação, porque ai quando estivesse tudo bem eu não estaria melancólica. Eu queria que fosse desculpa, para quando eu não conseguisse ir ao trabalho eu pudesse curtir um dia de praia.

Eu queria que fosse estresse, porque ai eu conseguiria não descontar uma raiva incontrolável nas pessoas que eu mais amo por serem justamente as que estão mais perto. Eu queria que fosse somente um sufoco,que ai eu conseguiria abrir a janela e respirar profundamente até passar. Eu queria que fosse como o vento, que passasse, cortasse e fosse embora, mas era uma maré, que a gente nada, nada, nada e se cansa. Eu queria que fosse modinha, porque ai eu me sentiria a vontade em falar disso com as pessoas, ao invés de me sentir culpada, de me sentir fraca e de me sentir com medo de parecer louca. 

Eu queria que fosse fácil, para que eu conseguisse lembrar a mim mesma que eu não sou aquilo que eu sinto quando estou deprimida. 
Eu só queria que fosse frescura. 

Eu voltei... agora pra ficar?

E aqui, aqui é meu lugar?
É meio bizarro como as coisas são... as coisas vão, as coisas vem e as vezes a gente se encontra meio perdido, meio desgostoso com algumas coisas, outra hora a gente sente saudades, quer voltar, mas se pergunta: isso ainda faz sentido?
Não sei, só sei que esses dias eu comprei um produto da Lola Cosmetic e morri de vontade de escrever uma resenha. Ai me repreendi e pensei "você já não tem mais 18 anos, Isabella". Não tenho. Não sei se teria o mesmo empenho que tive no boom de 2013/2014 em que eu postava direto e sem parar. Não sei se teria vontade de comprar um domínio novamente. Não sei se tenho saco para responder comentários e ficar fissurada nas últimas tendências de moda. Mas sei que minha mãe me ensinou a nunca fechar uma porta completamente. 
Aqui me fez bem, conheci pessoas maravilhosas, desabafei sem precisar postar indireta no facebook - o que é maravilhoso, porque ninguém de Vitória sabe da existência desse espaço aqui porque morro de vergonha -, passei vergonha alheia postando vídeos de maquiagem sem saber me maquiar e fiz pose de xícara no meio da rua ignorando as pessoas que passavam por perto e viam a cena. Cresci e aprendi muito com as coisas vistas dentro da blogosfera, sobretudo com as pessoas que conheci por aqui. E passei raiva - e muita raiva com os "segue de volta" -, passei inveja de gente ganhando a vida com o blog e sonhei ser famosa de internet - e sonho até hoje em ter mais de 300 ♥ nas fota do instagram. Mas atualmente não me vejo no snapgram dando diquinhas de moda, produtos pra cabelo e make porque talvez eu seja ultrapassada e goste disso: escrever no computador o que eu penso, lê quem quer, mas, principalmente, lê quem não me conhece pessoalmente.
Parei porque senti o peso da obrigação. O peso de "ter que escrever" para ter conteúdo e leitoras "fiéis". O peso de ter um bloqueio criativo e pensar "as views vão cair". E isso gerar um conteúdo mecanizado, forçado, sem vontade e ânimo. 
Por isso, nessa nova fase, não prometo nada além de que só escreverei aqui enquanto fizer sentido e, principalmente, o que fizer sentido. Não tenho mais saco para muita coisa que eu escrevia antigamente, até fiquei pensando se o nome do blog faria muito sentido. Mas ai decidi que faz porque eu gosto dele e fim. (E que eu não tenho criatividade para escolher outro tão legal he)
Mudei muito e hoje, pode-se dizer que eu me apresento assim: eu sou pura mágoa. Brincadeira, ou não. É que essa frase é de uma música que eu amo e eu tive que reescrever o parágrafo quatro vezes para ela fazer sentido. 
Acho que é isso. Não esperem muita coisa, mas tava com saudades. E to voltando... no meu tempo.

OOTD - Meia Arrastão

Esse blog tá ficando mó chato pq só venho postar mês a mês né galeris hahaha a saga de catar o notebook de papai continua a todo vapor, como vocês podem perceber...
As vezes, também, me dou conta como a vida era muito mais fácil quando eu criei o blog, até porque tava tudo mais barato, eu vivia com um terço do que vivo hoje e parece que tinha muito mais dinheiro que tinha antes. Enfim...
O post vai ser curtinho mas não será com menos amor por causa disso hahah
A verdade é que quero confessar que eu tenho essa meia arrastão guardada no meu armário há mais de quatro anos e eu nunca tinha tido coragem de usá-la sem ser para festas a fantasia... aliás, é bizarro porque eu sempre achei lindíssimo e eu nunca me achei com estilo suficiente para sustentar um look com uma meia arrastão.
Até que sábado dia 21/05 eu mandei um foda-se e falei pra mim mesma que iria sair com aquela meia e olha vou contar pra vocês: eu quero sair de meia arrastão para todos os lugares agora! ahaahahahaha
Escolhi um shortinho que não está cabendo em mim e fica com esse ar de largadinho com uma tee da renner que eu amei demais desde o momento que bati os olhos e um brincão pra quebrar um pouco o ar ~~rockeiro~~ hauahua enfim, vamos lá:

ps: desculpinha pelas fotos de qualidade baixa, é o melhor que posso fazer tirando fotos a noite e pelo celular e com o cabelo molhado rsrs





Short: Riachuello | Tee-shirt: Renner | Meia Arrastão: Lupo | Coturno: Doramilla

E ai, curtiu, usaria? E tem alguma fota de look com meia arrastão, se tiver manda pra mim que quero me inspirar por favorzito hahahaahahah

Enfim, período caminhando para o final e, consequentemente, com várias provas marcadas chegando perto e a sensação que possuo é:


Com um gif de regina george me despeço, bjokas de luz